ShareThis

Vocês Conhecem Essa Banda?

Amigos, Leitores, Seguidores e Devotees,

Em março tive o grande prazer de desfrutar dias incríveis que estarão guardados para sempre em minha memória e no meu coração, com amigos especiais, entre eles a família Alcaraz, adjetivos são poucos para Luiz, Ana e suas filhas e gentilmente cederam seu espaço para nós, e que não sei como descrever de tão incríveis são essas pessoas, sabe quando você esta a 1500 km de casa e continua se sentindo em casa, isso só se consegue quando as pessoas são especiais, muita saudade! E um dos momentos mais legais foi ver que na estante acima da TV estava representada uma banda q acho eu vocês conhecem:






Luiz, Ana e filhas vocês são especiais!


Novo Disco 2012

Com 30 anos, Depeche Mode são uma das bandas de maior sucesso no mundo pop. Qual é o seu segredo para o sucesso?

Andrew: Temos sempre trabalhado muito e nunca ficamos parados. Além disso, temos a sorte, de contar com um brilhante compositor Martin Gore e Dave Gahan ser um vocalista fantástico. Para ser honesto, é maravilhoso, o sonho interminável e que ainda somos tão bem sucedidos.

Este sonho ameaçava tornar-se um pesadelo.

Andrew: Tivemos alguns dias muito escuros. Excessos de drogas e álcool foram quase o fim do Depeche Mode. Mas saímos da escuridão.

Qual foi o maior problema do Depeche Mode?


Andrew: Dave e o vício em heroína em meados dos anos 90. Ele estava em um estado lamentável. Chegou um ponto em que estávamos convencidos de que ele não conseguiria mais sair do pântano das drogas.

Consideraram a opção de um novo vocalista?

Andrew: Nunca pensamos nesta questão. Se Dave deixa-se a banda, não haveria mais Depeche Mode.O que iria significar o fim de toda a banda.

Como Dave Gahan finalmente conseguiu ficar longe das drogas?

Andrew: Ele mostrou muita energia, foi por muito tempo na terapia de abstinência. Hoje ele está em muito bom estado. Ele está limpo por mais de 10 anos e traz uma impressão de estar solído.

Como a vida mudou ao longo dos anos como uma estrela do rock?

Andrew: Somos mais bem pagos, que é um efeito colateral muito agradável. Mas apesar de toda a fama, eu diria que somos pessoas muito comuns. Levamos uma vida normal, vamos para o pub, cinema ou restaurante sem que haja um tumulto grande. Os fãs do Depeche Mode são contemporâneos, felizmente, muito amigáveis e mais cautelosos.

O que você mudou pessoalmente?
Andrew: Tornei-me mais relaxado. Antes, eu era muito impulsivo, isso me fez bater contra a parede muitas vezes. Além de hoje eu beber definitivamente muito menos do que antes. 20 anos atrás, onde eu saia para festas todas as noites nas cidades onde estavamos.

E agora você é não vai mais a Pubs
Andrew: Não, eu ainda saio feliz com os meninos para o pub da esquina. Mas quando eu bebo, eu preciso de descansar uma semana. E mesmo assim, os ossos doem a cada manhã ao levantar-me. É eu só estou ficando velho (risos).

O que você gasta o seu dinheiro?

Andrew: Com minha esposa. Ela adora quando eu lhe dou roupas caras. Além disso, meus dois filhos, com a edução educação deles. Minha filha de 19 anos de idade, vai para a faculdade, o filho de 17 anos de idade, ainda na escola. Ele também consome uma grande quantidade de dinheiro.

E você gasto com você?
Andrew: Gosto de passar o tempo acompanhando o meu clube favorito Chelsea. O futebol se tornou muito caro na Inglaterra.

Em seu recém-lançado álbum "Remixes 2: 81-11" Eles mantiveram produtores estrelas como Eric Prydz, em remixes de hits antigos do Depeche Mode. No mais idéias para novas canções?

Andrew: O álbum é um presente para nossos fãs leais que estavam à espera de um segundo álbum de remixes. Mas em 2012 apresentaremos um novo álbum e teremos novamente uma turnê mundial.

O que a sua esposa, diz quando você recebe de volta de uma turnê por meses?

Andrew: Minha esposa e eu estamos juntos 30 anos. Ela adora quando eu saio em tour. Porque eu não sou uma pessoa agradável de conviver permanentemente.

Fonte: Blich.ch

Depeche Mode - Trends do Twitter

Fonte: Déa Parrila

Saindo do Forno



Conforme já publicamos os dois dos fundadores dos Depeche Mode, Vince Clarke e Martin Gore, estavam gravando um album de musica eletrônica, de tecno.
Tudo começou com um e-mail, revelou Martin Gore à Billboard: "recebi um e-mail que em que Vince me perguntava se estava interessado em gravar um álbum de tecno".
Gore respondeu "Se não haver pressões nem prazos".
O convite surgiu há nove meses e o disco está em fase de mixagem desde do início do ano.
"Nunca falamos muito; só trocas de e-mails e compartilhamento de arquivos", confessa Gore.
As canções serão exclusivamente instrumentais. Embora a conclusão esteja o próximo, não é garantido que o projeto seja lançado em breve.
Vince Clarke deixou o Depeche Mode em 1981 logo após o lançamento de Speak & Spell, para formar o Yazoo e mais tarde o Erasure. Recentemente, contribuiu para o segundo album de remixes do Depeche Mode com um remix para a faixa Behind The Wheel.


Palheta de Martin


Uma palheta usada por Martin Gore durante a Tour Of The Universe rendeu 538 euros num leilão no EBAY depois de 35 lances, a palheta foi oferecida pelo próprio Martin, e estava emoldurada junto com uma mensagem autografada onde o próprio atestava a autenticidade, Martin ofereceu esta raridade para leilão, sob condição de a totalidade do valor conseguido seria revertido para duas instituições: a LifeBeat de apoio na prevenção da SIDA junto dos jovens, e a Trekstock de apoio a jovens com cancro. Como de costume o Depeche Mode seus membros colocam a sua música ao serviço da solidariedade, de forma discreta, longe dos holofotes.


Mixtape - Depeche Mode by DJ Jairo Fernandes



Mixtape - Depeche Mode by DJ Jairo Fernandes



Late Bar - Synthpower!


Sabe o que Depeche Mode, Madonna, Ting Tings, MGMT e Phoenix tem em comum?
Todo o poder dos sintetizadores unido a gostosura do pop! E é isso que a Late Bar do dia 25 de junho reserva pra quem for prestigiar a saturday night fever do Ocidente! Nesta edição temos o muso Dave Gahan no cartaz, vocalista do Depeche Mode, um dos mais influentes e queridos grupos de synthpop.
E para aqueles que curtem uma guitarra, don't worry, pois elas marcam presença também, of course: pop, rock, new wave, britpop, philly sounds e todo o repertório que "we just can't get enough" que só a Late tem!

No som os DJs Ale & Jairo, Yog MARS mais os convidados Juli Baldi (London Calling/Popismo) e Fran Piovesan (Popismo) fazendo o Oci e do OX um luxo synth e uma gostorusa pop!

And Late Bar goes like that:
Depeche, Bowie, New Order, Cure, La Roux, Cee-Lo Green, Ting Tings, Phoenix, Beatles, Duran, Smiths, Madonna, Katy Perry, Michael, Jamiroquai, Queen, Blondie, Talking Heads, B52's, Yelle, PSB, INXS, Eurythmics, Human League, Mark Ronson, Aeroplane, Calvin Harris, We Have Band, Maximum Balloon, Killers, Two Door Cinema Club, Friendly Fires, Cut Copy, Empire of The Sun, Crystal Castles, The Drums, Breakbot, Monarchy, Midnight Magic, Escort, Glimmers, Scissor Sisters, Chemical Brothers, Groove Armada, Basemet Jaxx, Martin Solveig, MGMT, LCD Soundsystem, Daft Punk, Kylie, The Swiss e muito mais.

Sábado 25 junho
22 horas
LATE BAR - Synthpower!
OCIDENTE/OX: Rua João Telles esquina Osvaldo Aranha
Fone (51) 3312 1347
No twitter: @Ocidente e @late__barNo
Ingressos antecipados R$ 20 à venda na Spirito Santo (24 de Outubro, 513 e Iguatemi), Borro (Lima e Silva, 744) e no Ocidente durante o almoço.
Na hora R$ 25.Tem uma ceva 600ml de brinde para os 300 que chegarem primeiro.

LATE BAR OCIDENTE/OX! Há SETE anos o lugar perfeito pra que AMA música e ADORA se acabar dançando

MTV - Depeche Mode World Stage


Depeche Mode é a atração do World Stage, da MTV, nesta sexta-feira, dia 10. O programa, transmitido mundialmente, leva ao ar o show que a banda fez em Barcelona, na Espanha, e que faz parte da turnê Tour of the Universe.
No repertório da apresentação, estão clássicos e sucessos mais recentes.
A estreia acontece amanhã às 00h30 (de sexta para sábado), e tem reprise no sábado (11/06) às 19h00, domingo (12/06) às 14h00 e segunda-feira (13/06) às 01h00.
A revolucionária e lendária banda eletrônica, que já conquistou seu lugar no topo das paradas, fez 102 shows em 40 países com sua Tour of the Universe. Dave Gahan, Martin Gore e ‘Fletch’ Andrew Fletcher tocaram para mais de 2,7 milhões de pessoas. Sua épica viagem pelo mundo resultou na que foi considerada uma das mais bem sucedidas turnês dos últimos anos, tocando músicas de seus impressionantes 30 anos de carreira.
O CD duplo e o DVD Tour Of Universe em 2010, contam com 21 faixas gravadas durante duas noites com ingressos esgotados no Palau St Jordi em Barcelona, em 20 e 21 de novembro de 2009.


Screen Saver - Remixes 2


O Depeche Mode disponibilizou um Screen Saver (protetor de tela) muito legal com o tema Remixes 2, o arquivo esta disponivel para Mac e PC e vale a pena baixar!




Photographic - Live BBC T - 6/11/81



Q&A: Martin Gore



Depeche Mode were remixing when MGMT were toddlers, hip-hop meant “Rapper’s Delight,” and Ministry was a disco act. Whether self-created or deconstructed by a guest artist, over the course of a 30-year career, the electronic rockers have treated the 12-inch club mix as a valid art form. In 2004, they issued their first collection of new and classic remixes. Remixes 2 is out Tuesday, featuring vintage and current Mode material tweaked by UNKLE, Dan the Automator, Jacques Lu Cont, Peter Bjorn and John, and Mike Snow, as well as former members Vince Clarke (later of Yaz and Erasure) and Alan Wilder. Here, legendary co-founder Martin Gore discusses veto power, vinyl (records, not trousers), and what’s next for one of the world’s most massive musicians.

Marc Spitz:As Depeche Mode’s primary songwriter, you spend a lot of time in the studio trying to perfect each piece of music. Isn’t the idea of a remix antithetical to that, since it upsets everything you’ve worked so hard on?

Martin Gore: It’s been so much a part of our fabric from day one, I don’t even think about it anymore. It’s second nature. The only single we ever put out that didn’t have any kind of remix was our first [1981’s “Dreaming of Me”]. If I don’t like what’s being done or feel there isn’t enough of the song in there, we have total control; we can veto anything we don’t like. But a lot of times, we’re pleasantly surprised.

Do people submit remixes on spec? Or do you invite musicians you admire to remix your work?

People submit songs on spec, but we also get a list together of people who we’re interested in. Between [longtime label] Mute and us, we come up with quite a few people and we choose the best of the bunch.

You’ve watched remix culture grow, to the point that in hip-hop it’s now almost required. Sometimes the remix becomes the hit single. Does someone else’s mix ever change the way you feel about a song?

When we go out and play live, we often use parts of the remixes that we like and it becomes a new live version.

Are there Depeche Mode fans who don’t want some of these songs fussed with at all? When you change near-holy singles like “Blasphemous Rumours” or “Enjoy the Silence,” do fans ever protest?

[Laughs.] I don’t think so, because anyone who’s that obsessed would want as many versions of the song as they could possibly find. There are Depeche Mode parties around the world where people listen to our music all night long. The more remixes we can give them, the more interesting those nights have got to be.

There’s a vinyl box-set version of this remix collection as well. Are you a purist about that? Does a true club remix have to be on a 12-inch vinyl?

I think it’s really important that vinyl is available. And it looks much better. I come from that generation. Kids today don’t know that much about vinyl. It was so exciting to go to the record shop and buy a piece of vinyl and hold it, read the liner notes, look at the pictures. Even the smell of the vinyl.

Those obsessive fans must be excited by the idea of reunions with Vince Clarke and Alan Wilder, who contribute remixes to this new collection (“Behind the Wheel” and “In Chains,” respectively). How did that come about?

We weren’t in touch with either of them. Toward the end of the last tour I asked Alan if he would come onstage at London’s Royal Albert Hall and he agreed. Then he came on tour in America. It seemed natural to ask him. With Vince, I got an e-mail from him out of the blue about nine months ago saying, “I’m thinking of making a techno album. Are you interested in collaborating?” That’s finished now, but we need to mix it. It was natural to ask him to do a remix as well.

Speaking of Vince Clarke, this fall will be 30 years since Speak and Spell. This collection spans that entire period. Does it help to put a period on it and free you up to write new music? Can we expect another Depeche Mode album soon?

I suppose there’s a period. It’s the end of our EMI period. With Sounds of the Universe we only signed for one album and a remix collection. After this we don’t have a label.

Would you release music independently?

I don’t know. We’ve talked about it, but I don’t know how many years it will take [to finish the album]. Who knows how music will be distributed then . . .

You might be able to release it directly into people’s brains.

I think that’s called brainwashing.


Fonte: Vanityfair.com

Dave Gahan em estrevista na Rádio WNYC



Late Bar Especial!



Off Topic - Erasure em POA


Bem amigos,

Vou abrir um pequeno parêntese no blog para comentar uma das melhores noticias do ano, a vinda da banda Erasure a Porto Alegre, bem eu adoro o Erasure e não tive a oportunidade de vê-los ao vivo ainda, pois na primeira vez que vieram a POA eu não tinha idade para ir ao show, fiquei ali ouvindo na rua, e espero que tudo de certo e desta vez sim irei vê-los.
Devo a Vince Clark minha devoção ao Depeche Mode, por volta de 1988/89 não lembro direito, o Erasure foi a primeira banda a qual me identifiquei, aquela que eu me apaixonei por primeiro, eles e o Pet Shop Boys, mas no caso do Erasure era admiração total e indiscutível, o toque eletrônico de Vince me conquistou e me conquista a cada trabalho, na época em uma revista Bizz, para os mais novos uma bela revista nacional especializada em musica, que existiu, era a unica maneira de se manter imformado sobre musica, na Bizz, estava escrito que o maior hitmaker da terra na minha opinião, Vince Clark tocou no começo dos anos 80 em uma banda de musica eletrônica, o tal de Depeche Mode, logo fui a uma famosa loja de discos aqui de POA no tempo q internet não existia para os meros mortais, mp3? Hahahaha nem se sonhava o mais avançado era o vinil e o mp3 era a fita K7.
Chegando à saudosa Tecnique, pedi para que grava-se uma fita K7 só com Depeche Mode, o qual nunca tinha ouvido falar, bem antigamente se pagava para se gravar musicas, seleções e etc, para você que tem menos de 25 anos a facilidade da internet e dos gravadores de cd, na época era pura utopia...
Mas voltando ao texto, o pessoal da Tecnique na época gravou o álbum Music for the Masses, ao ouvir o Depeche Mode pela primeira vez, a faixa Never Let me Down Again a expressão foi:

- Put.. que pariu, que som du caralh....

E a partir dai a devoção pelo Depeche Mode foi instantânea e crescente a cada audição, como podem perceber.
Além de considera-los uma banda unica o Erasure tem um som assim como o Depeche Mode marcante, inconfundível e próprio coisa que só os melhores conseguem, obrigado Vince Clark.


Personal Jesus 2011 (Sie Medway-Smith Remix)


Crédito: DMArgentina

Personal Jesus 2011 (M.A.N. Remix)


Crédito: DMArgentina