ShareThis

Entrevista de Dave Gahan - Rolling Stone da Espanha (Tradução)


A entrevista é precedida por "invasão" provocada por uma fã, que irrompe na sala poderosamente equipado com vinil e câmera. Tudo isso dentro do Four Seasons George V em Paris, onde Depeche Mode, dia 23 de Outubro, realizou sua conferência de imprensa para a apresentação da nova turnê mundial e novo álbum.

Dave, visivelmente acanhado observa a situação e espera a ação dos seguranças do hotel.

Você tem que suportar estas situações muitas vezes?

"Chega. Eu posso entender tal atitude por parte de um fã adolescente, mas um adulto? Eu sou um fã de David Bowie, e antes de conhece-lo  pessoalmente, eu estava cheio de uma espécie de hesitação... Eu não queria quebrar essa barreira. Quando finalmente nos encontramos em Nova York, foi um momento mágico. "
Pelo menos New York permite a você passar mais despercebido.
"Sim, eles que se dão melhor com o fenômeno fã... Em outros lugares não tenho como passear pela rua para conhecer. É algo que me coibiram. Isso acontece menos quando estou com minha esposa e meus filhos. Alguns fãs eu encontro, mesmo em frente da minha porta, e isso é realmente demais. "

Você já teve outras situações como essa ultimamente?

"É aconteceu ontem aqui em Paris. Enquanto eu caminhava a pé, com minha esposa, eu notei um carro nos seguindo lentamente. O cara nos seguiu por um bom tempo e quando ele finalmente veio e me pediu uma foto, eu lhe disse que não. Este não é o caminho certo para chegar perto de alguém. "

Além destas situações, o que você acha de Paris? 

Eu não gosto muito.
"Mas não é culpa da cidade. A culpa é dos parisienses. E que são percebidas por seus vibrações negativas. Eles acreditam que ninguém é como eles. Os parisienses não têm nada a ver com o resto dos franceses. "

O mesmo se aplica ao iorquinos?

"Exatamente. Nova-iorquinos têm uma atitude diferente do resto da América. Eu moro em Nova York há 15 anos, para mim, é um privilégio real. Eu sou grato por que eu posso me dar ao luxo de viver em uma cidade assim. É um lugar maravilhoso. Um lugar desafiador e excitante. Todos os dias vou para o meu escritório, que está localizado a 10 minutos da minha casa. Compor, tocar ou fazer qualquer outra coisa, mas eu tenho que estar lá todos os dias. "
Também é bom para sair para uma pequena distração. [Risos] 
"Eu vou ao cinema ou visitar museus. Eu gosto de andar sem rumo. Eu pegar um pedaço de pizza e observar as pessoas. Ou vá no West Village, onde o café o meu favorito. Nova York é uma cidade maravilhosa. '

Seus vizinhos são famosos como você?

"As celebridades são parte da paisagem. Houve um tempo em que eu conheci muitos, conheci Kevin Bacon, porque morava ao lado. Seu irmão estava trabalhando no meu estúdio. Mas isso não é de importância fundamental. No ano passado, a maior parte da minha vida social, eu doei para meu novo disco. "

Você já decidiu sobre o título do novo álbum?

"Avaliamos várias opções, mas eu posso dizer que o título do novo álbum não será muito longe do nome do grupo. Uma espécie de piada. Quando o título será revelado, as pessoas vão dizer: "Ah, tudo bem!"

Você parece ter um ar muito zen. Levar uma vida menos rebelde?

"Eu não faço nada menos do que no passado. Bem, além de ser jovem, despreocupado, o bêbado toda noite... Eu poderia fazer essas coisas, mas minha idade, você não pode fazer mais. "

Você esta por tantos anos no cenário musical. Como você mantém vivo o sucesso?

"É fácil, então eu não tenho que provar nada para ninguém mais. Só para mim. Eu me coloco constantemente questionando, sou o meu pior crítico. Isso é o que faz manter viva a paixão pelo meu trabalho, depois de todo esse tempo. Meu único objetivo é manter a criatividade ao mais alto nível. "

Fonte: Rolling Stone Espanha

1 comentários :

Anônimo | 1 de dezembro de 2012 14:27

Bacana, Luís.
Obrigado.
Abs

Jota