ShareThis

Fã Ouviu Delta Machine e Faz Resenha Faixa a Faixa



Há muito tempo fã do Depeche Mode e jornalista de música, Eldritch, oferece sua visão detalhada sobre Delta Machine.
Como muitos de vocês já estão cientes, partes de Delta Machine começaram a  pipocar na internet.
O Twitter tem sido uma vibração com comentários sucintos de jornalistas, jornalistas do  Músic Clash e Spin deram suas opiniões.
O faixa a faixa abaixo foi feito por Samuli (aka Eldridtch @ Home) que participou recentemente de um grupo de jornalistas que tiveram a chance de ouvir pequenos trechos de Delta Machine na Finlândia. É longo, mas vale a pena ler cada palavra. 

O conteúdo a seguir foi escrito por Samuli K (aka Eldridtch @ Home).

- Observações: Lembre-se que eu ouvi apenas uma vez, e que geralmente eu gosto ou não gosto de escrever com apenas com uma audição, demoro um pouco para absorção total da obra. Mas essas são minhas primeiras impressões. 
Eu não tinha acesso escrito as letras por isso as citações e títulos podem não estar corretos. 
Eu amei Playing the Angel e não gostei Sounds Of The Universe, por isso, se as suas opiniões variam da minha sobre esses dois álbuns, você pode não concordar muito sobre o que eu escrevo.

Por toda a conversa sobre sobre Flood estar trabalhando em sintonia com Martin descrevendo o álbum como "uma mistura de Song Of Faith And Devotion e Violator", me faz que eu ouça Delta Machine como a terceira parte da trilogia de álbuns de Ben Hillier. O som é mais limpo e mais duro do que no Playing the Angel  Mas, como escreveu Mark1975, Playing the Angel foi de muitas maneiras um tributo ao passado do Depeche Mode, por isso há acenos semelhantes às glórias do passado espalhados por todo o álbum.

1. Welcome to my World: Um pulso techno suave faz pensar se esta faixa é um instrumental como alguns previam, mas depois Dave vem: "Bem-vindo ao meu mundo...". Mais como a lenta construção de In Chains em vez da explosão de energia que foi APTIUT, este é um começo inteligente e promissor que leva a um coro ascendente em que Dave com meias promessas e meias ameaças se compromete a  "penetrar o sua alma "e" sangrar em seus sonhos ". Somos instruídos a "ver o sol desaparecer" e "ver a lua começar a chorar" e caramba, isso é ótimo. 

2. Angel: É o que já sabemos e ouvimos. Eu não queria exagerar antes do álbum e porque eu não fiquei encantado por ela, foi fácil. Então eu vou dizer que eu não detectei alterações importantes se comparada com a faixa que já  ouvimos.

3. Heaven: Eu só vou dizer que, se sobre sai fornece um alívio de todo o electro do álbum.

4. Secret To The End: Uma electro, temperada com um pouco de guitarra suja. Pela primeira vez temos um coro adequado que pode parecer bobo no papel, mas trabalha intensamente acompanhado a música: "O problema deve ter sido você / (" deve ter sido você ") / (" teria sido você ") / (" poderia ter sido você ") / Se não tivesse sido eu / (" não tivesse sido eu ") / (" não tivesse sido eu) "- Martin e Dave gritando as últimas partes do coro em cima uns dos outros. Eu suspeito que é uma letra de Dave, pois seis das seis primeiras frases eu não posso reconhecer instantaneamente como algo puro do Gore. Mas não é um sinal de desrespeito, pelo contrário esta é uma música forte. 

5. My Little Universe: Com "Meu pequeno universo está se expandindo" e "vazio belo me rodeia" estar entre as linhas de abertura e batidas pontilhista salpicando a paisagem sonora esparsa, soa muito como uma faixa de Martin - mas ainda é cantada por Dave por algum motivo. Curtas rajadas afiadas de melodia quebram a superfície sonora aqui e ali, mas isso ainda é muito "Depeche Mode experimental". O coro é surpreendentemente não-melódico e solipsista: "Aqui eu sou rei / Eu decido tudo". Eu gosto muito disso, mas  tenho certeza que esta será uma das faixas mais controversas de Delta Machine. O ritmo pega um pouco para o final, mas um vazio dramático.

6. Slow: Depois de um par de faixas muito eletrônicas, a influência do blues está de volta com um estrondo: "Lento, lento, lento como você pode ir / Eu quero os meus sentidos, para transbordar", a canção começa com seu refrão substituto (esta é uma das músicas , onde não se pode realmente dizer o que é verso e o que é coro). O sotaque das guitarras mais tradicionais do que o habitual e, pessoalmente, eu adoro encontrar alguns dísticos bons aqui e ali: "Eu deixei o mundo manter o seu ritmo colorido / Eu prefiro apenas estudar o seu rosto bonito ".

7. Broken: Depois de muitas faixas não comerciais, nos deparamos com talvez a faixa mais comercial, o Depeche Mode com uma única escrita que diz estamos de volta com um estrondo. Este é um hit instantâneo, na minha opinião: som-sábio, mas pouco intenso que trata do misterioso drama de excesso de velocidade ao volante. O refrão é de longe o mais cativante e comercial do álbum: "Quando você se / Eu vou pegar você / Você não tem que cair tão longe / Você pode fazer isso / Eu estarei lá". Eu não posso decidir se esta é de Dave ou Martin - por que gostei, eu sinto que é de Martin, por escrever e trabalhar melhor as letras, mas posso também sentir que é Dave. Bem escrita, por qualquer dos dois. Eles são loucos em não colocar esta faixa como o primeiro single.

8. The Child Inside: Os passos de um bebê macio e introspectivo sintetizadores tamborilar no modo que este deve ser a primeiro instrumental, certo? Mas não, Martin segue-os com uma letra verdadeiramente assustadora, com o primeiro verso que termina com algo como "você realmente deveria ter cavado um pouco mais profundo / as partes do corpo que você está começando a encontrar / estão começando a assustar a criança dentro de você" (Eu provavelmente tenha entendido a frase errada, mas essa é a definitivamente a idéia geral). Tremolo Martin também está ficando mais avançado, melhor, quanto mais velho ele fica. Esta não é uma daquelas baladas exuberantes de Martin, muitos de nós (eu incluído) desejamos que ele ainda escreva uma, mas ainda assim é atmosférica e bastante brilhante. "Você realmente deveria ter levado todas as suas bonecas para a cama com você".

9. Soft Touch / Raw Nerve: Curiosamente, até agora Delta tem sido bastante lenta, mas com esta faixa do álbum acelera em vez de acalmar. A canção abre com Dave intrometendo-se como um bruto: "eu tenho um toque suave? / Eu tenho um toque suave?". O clima geral da música é mais suave do que isso e um dos mais melódicos "irmão Oh, me dê uma mão amiga" partes dão a música algumas dinâmicas criativas. Tenho certeza de que vou adorar, depois de escutar mais vezes.

10. Should Be Higher: Outra stomper, desta vez Gary Glitter em anfetamina sendo a principal influência. Eu não estou perguntando por que a faixa tem sido especulada como o segundo single: Ela se acumula bem e o coro funciona bem em um nível bastante épico, estilo não-Depeche Mode. Vocais de Dave são misturados curiosamente abaixo no coro e seu canto emotivo lembra do HIM Ville Valo. "Suas mentiras são mais atraentes do que a sua verdade / O amor é tudo que eu quero / Suas mentiras estão escritas lá no seu coração / O amor é tudo que eu quero" revela que esta deve ser um faixa escrita por Dave.

11. Alone: Outro single potencial com as letras que jogam o jogo habitual do Depeche Mode amor-como-religião: "Eu sou seu pai, seu filho, seu Espírito Santo e seu padre". O refrão "Eu não poderia salvar a sua alma / Eu não poderia mesmo te levar para casa / eu não poderia ter jogado esse papel / sozinho" tem dicas de uma melodia de apoio épico que eu desejo que tenha sido levada adiante. Mas, sim, uma outra faixa, uma outra batida.

12. Soothe My Soul: As primeiras 11 faixas nos levaram ao passado, a marca de 50 minutos e, talvez, é onde a Delta Machine deveria ter terminado. Esta faixa é tipo Corrupt clichê, de fato: "Eu estou vindo para você quando o sol se põe / Eu estou vindo para você quando não há ninguém em sua volta / Eu vou chegar a sua casa e quebrar sua porta / Eu estou vindo para você, porque eu preciso sentir sua pele". Tudo com o coro que segue: "só há uma maneira de aliviar a minha alma". Tudo isso é de fato e talvez um pouco triste vindo de homens de 50 e poucos. Devo dizer que a música em si não é tão ruim assim, a seu modo b-side, mas de outra forma, este é o único e verdadeiro passo em falso no álbum. Eu realmente espero que essa faixa seja uma música de Dave, porque este tipo de preguiça não deve ser esperada de Martin nesta fase.

13. Goodbye: Depois de esconder por um tempo, as guitarras de blues fazem um retorno - desta vez em um estilo Treasure. As vogais são muito esticada nos vocais, então eu tive um momento difícil de escrever qualquer coisa compreensível sobre a letra - mas o coro vai "Adeus de novo", o "novo". A pista tem um final falso e eles voltam para trás com um minuto explosivo no passado. Esta não é uma música ruim, mas quebra o feitiço do álbum, e sente-se um pouco desnecessária. 

Nota do blogueiro: Amigos peço desculpas por possíveis erros na tradução, meu inglês ainda é fraco mas com certeza que o sentido das palavras não foi alterado.

Crédito: and then a Depeche Mode Blog

0 comentários :